Holanda nas penalidades passa pela Costa Rica e vai enfrentar a Argentina nas semifinais

O futebol. Ah, o futebol... Mais uma vez o esporte demonstrou seu conceito mais amplo. Heróis em campo, lances de emoção nos minutos finais. Duas seleções que antes da Copa do Mundo eram separadas entre tradição e surpresa se igualaram no tempo normal. E também na prorrogação. O melhor ataque não ultrapassou a melhor defesa. Mas dos pênaltis não poderia passar. E, depois do 0 a 0 durante 120 minutos, sem contar os acréscimos, a Holanda venceu a Costa Rica por 4 a 3.  E agora vai enfrentar a Argentina na semifinal, quarta-feira, às 17h (de Brasília), na Arena Corinthians, em São Paulo.

A Costa Rica, que vencera Uruguai e Itália na fase classificatória, caiu de pé, sai do Mundial de cabeça erguida, invicta. O goleiro Navas foi um gigante. Tejeda salvou em cima da linha no último minuto do tempo normal. Foram heróis até mesmo na derrota. Mas, pouco antes das cobranças, Van Gaal colocou o goleiro Krul na vaga de Cillessen. E o goleiro holandês roubou a cena, saiu do banco para pegar dois pênaltis e escrever seu nome como protagonista de uma bela história.

Tim Krul defesa pênalti Holanda x Costa Rica (Foto: Reuters)Krul comemora a histórica defesa em cobrança de pênalti de Bryan Ruiz, da Costa Rica (Foto: Reuters)

Holanda para em Navas, personagem do primeiro tempo

Desde os primeiros minutos, a maioria dos brasileiros presentes à Arena Fonte Nova engrossou a torcida da Costa Rica. Mas, em certo momento, todos se uniram em uma só voz para a corrente de solidariedade com gritos de "olê, olê, olê, olê, Neymar, Neymar".

Robin van Persie e Keylor Navas jogo Holanda x Costa Rica (Foto: AP)Van Persie não consegue ultrapassar a barreira
costarriquenha Navas em chute de perto (Foto: AP)

O começo de jogo foi um reflexo das seleções na Copa do Mundo: a Holanda, que tem o melhor ataque, se lançou à frente; a Costa Rica, com a zaga menos vazada com apenas dois gols até então, se postou na defesa e tentou fazer do contra-ataque e das bolas aéreas suas armas.

Com maior volume de jogo e mais qualidade da Holanda, natural que aparecesse a figura do goleiro da Costa Rica. Com toque de bola preciso, o time de Van Gaal chegou bem com Van Persie. Navas fez grande defesa. A bola sobrou para Sneijder. E novamente o camisa 1 costarriquenho apareceu bem. E tinha mais no repertório: uma intervenção com o pé em chute de Depay.

E, por pouco, o surrado ditado do futebol que diz “quem não faz, leva” se fez valer. Acosta quase marcou, mas Cillessen evitou. E por falar em goleiro...do outro lado, Navas voltou a trabalhar em cobrança de falta de Sneijder. À essa altura, paredão, muralha e salvador da pátria já eram adjetivos que bem poderiam definir o principal personagem do primeiro tempo.

Keilor Navas goleiro jogo Costa Rica x Holanda (Foto: Reuters)Keylor Navas fecha o gol durante os primeiros 45 minutos na Arena Fonte Nova, em Salvador (Foto: Reuters)

Insistência de Van Persie, mas placar segue zerado

A etapa final teve cenário parecido: lá foi a Holanda, com a bola nos pés e pacientemente trocando passes, tentar furar o bloqueio defensivo da Costa Rica, que tentava dar o bote na base da correria. Muita transpiração, pouca emoção.

Joel Campbell jogo Holanda x Costa Rica (Foto: Getty Images)Campbell vinha bem, mas foi substituído pelo
técnico Jorge Luis Pinto (Foto: Getty Images)

Aos 20 minutos, uma troca na Costa Rica que pouca gente entendeu. O técnico Jorge Luis Pinto tirou Campbell, o seu melhor jogador e que vinha incomodando os zagueiros adversários para colocar Ureña, jogador que cai mais pelas beiradas do campo. De perigoso, uma cabeçada de Vlaar, que passou por cima do travessão de Navas.

De repente, depois dos 35 minutos, o jogo esquentou. Sneidjer acertou cobrança de falta na trave. O gol parecia questão de tempo. Mas no meio do caminho estava Navas, sempre ele, que voltou a brilhar ao defender chute cruzado de Van Persie. Pouco depois, Sneijder voltou a achar o camisa 9 cara a cara com o arqueiro costarriquenho, mas a furada foi um desfecho bisonho para uma bela jogada.

Van Persie falhou na área e foi tentar de falta para experimentar de mais longe já aos 46 minutos. Navas disse presente mais uma vez e espalmou para longe. O lance mais incrível aconteceu no minuto seguinte. Blind cruzou pela esquerda, a bola passou por De Vrij e Kuyt até chegar para ele, Van Persie. Desta vez, porém, quem impediu o gol da classificação foi o volante Tejeda, debaixo das traves. A bola ainda subiu e bateu no travessão. Boquiabertos, os holandeses presentes à Fonte Nova pareciam não acreditar.

Robin van Persie  jogo Holanda x Costa Rica (Foto: AP)Van Persie perde outra chance na área contra Navas e a defesa costarriquenha (Foto: AP)

Prorrogação animada e troca de goleiros nos pênaltis

Empate no tempo normal. Prorrogação. E adivinha? De novo, mais uma vez, Navas apareceu de forma brilhante ao fazer grande defesa em cabeceio de Vlaar logo de saída. Pouco depois, os jogadores da Costa Rica pediram pênalti quando Ureña caiu na área em jogada com Vlaar. O árbitro nada marcou. A questão física, porém, começou a pesar já no primeiro tempo da prorrogação, e o cansaço transparecia principalmente do lado costarriquenho.

 Tim Krul goleiro Holanda (Foto: Reuters)Inusitada troca de goleiros entrando Krul na vaga
de Cillessen, mas deu certo (Foto: Reuters)

Robben começou os 15 minutos finais de bola rolando dando arrancadas, mais inteiro que muito garoto no gramado da Fonte Nova. Nada de muito efetivo, no entanto. Van Gaal apelou para Huntelaar, decisivo contra o México nas oitavas, que entrou e só apareceu ao deixar o braço em dividida com Navas e ser advertido com o cartão amarelo. Quase no fim, foi a vez de Cillessen provar o seu valor. Ureña apareceu livre cara a cara, e o arqueiro da Laranja fez uma defesaça. A Holanda respondeu em chute de Sneijder que balançou o travessão. Emoção até o fim, e a decisão da vaga na semifinal foi para a disputa de pênaltis.

Antes do apito final, Van Gaal ainda trocou de goleiro para os pênaltis. Krul entrou no lugar de Cillessen. O titular saiu contrariado, mas nem por isso deixou de torcer para que o companheiro se saísse bem e vibrou quando Krul pegou a cobrança de Bryan Ruiz. Borges, González e Bolaños fizeram para os Ticos. Os holandeses foram perfeitos com Van Persie, Robben, Sneijder e Kuyt. Na quinta tentativa da Costa Rica, Umaña bateu, Krul pegou mais uma e colocou a Holanda na semifinal contra a Argentina. Van Gaal sabia o que estava fazendo quando trocou de goleiro.

 Tim Krul defesa pênalti Holanda x Costa Rica (Foto: Reuters)Krul pega a cobrança de pênalti de Bryan Ruiz e coloca a Holanda na semifinal da Copa (Foto: Reuters)

Fonte: g1


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!