(BRASILEIRÃO) Flu busca virada polêmica sobre a Ponte e mantém folga na liderança

Com uma dose considerável de sofrimento e outro punhado de polêmica, o Fluminense manteve nove pontos de folga sobre seu concorrente mais próximo, que agora é o Atlético-MG. O líder do Brasileirão venceu a Ponte Preta por 2 a 1, de virada, após levar gol no primeiro minuto da partida em São Januário. Os lances do triunfo tricolor foram questionáveis: o de Fred nasceu de um pênalti inexistente, em toque de mão de Luan, e o de Gum se originou em falta discutível sobre Marcos Junior.

A atuação do Fluminense, que jogou diante de 16.029 pagantes, não foi das melhores. Ganhou mais no sufoco do que na qualidade depois de Luan abrir o placar para a Ponte Preta - que mais matou tempo do que jogou futebol no segundo tempo. No fim, alívio para o líder, que conseguiu manter a distância de nove pontos sobre o Atlético-MG (68 contra 59), que também virou seu jogo - 2 a 1 sobre o Sport. O Grêmio, outro concorrente, empatou por 1 a 1 com o Botafogo e ficou com 57. É justamente o próximo adversário do Flu, quarta-feira, no Engenhão.

A Ponte Preta segue com 37 pontos. É a 14ª, dez à frente da zona de rebaixamento. O time de Campinas volta a campo na quinta-feira, no Recife, contra o Sport.

O Fluminense, até este domingo, havia saído atrás no placar em seis das 29 partidas. E virara apenas uma delas. A segunda veio em uma cabeçada de Gum aos 43 minutos do segundo tempo.

- Papai do Céu tem me abençoado. Sou um cara feliz, é um momento especial, e fico feliz de poder ter feito esse gol decisivo e ajudado o Fluminense nessa reta final do campeonato, que é muito difícil. Nós queremos o título - afirmou Gum.

Fred fez seu 15º gol no campeonato, o quarto de pênalti, e continua empatado com o são-paulino Luis Fabiano, que marcou na vitória por 2 a 0 sobre o Figueirense. Bruno Mineiro, da Portuguesa, tem 14.

Gol precoce

Três toques de perna direita: o domínio, a ajeitada para encaixar o corpo e a conclusão. Um segundo de viagem no espaço para a bola: da chuteira de Luan até o ângulo de Diego Cavalieri. E uma revolução nas perspectivas do líder do Campeonato Brasileiro para a partida em São Januário. Com um minuto de jogo, o golaço do atacante da Macaca já deixou o Fluminense na obrigação de uma virada.

O time tricolor não está acostumado a sair atrás no placar. Mas não tinha jeito: era tentar mudar o panorama ou sofrer com a desconfiança da aproximação dos rivais na tabela. O gol modificou o comportamento habitual do Fluminense, que ficou mais apressado. Um exemplo: alçou 14 bolas na área apenas no primeiro tempo, contra 18 do jogo inteiro na rodada anterior, diante do Bahia. Mesmo assim, a bola mal chegou a Fred, que somou apenas três passes nos 45 minutos iniciais.

A Ponte não se constrangeu: abraçou a vitória parcial, mesmo tão cedo, e tratou de tomar conta dela. Quatro jogadores levaram cartão amarelo antes do intervalo - ou por matar jogadas do adversário, ou por ganhar tempo, caso do goleiro Edson Bastos.

A necessidade de virada não deu ao Fluminense as armas necessárias para emparedar a Ponte. A posse de bola foi dividida quase ao meio: 52% para os cariocas, 48% para os campineiros. Mas o Tricolor teve lá suas chances.

Duas delas foram claras. Na primeira, Wagner recebeu pela esquerda e concluiu cruzado, muito perto da trave esquerda de Edson Bastos. Na segunda, Digão surpreendeu ao chegar ao ataque e bater colocado, buscando o ângulo. O goleiro da Ponte voou para espalmar a escanteio.

Fred fluminense gol ponte preta (Foto: Dhavid Normando / Photocamera)
Fred comemora em São Januário o seu 15º gol no nacional (Foto: Dhavid Normando / Photocamera)

Pressão e virada

Abel Braga percebeu que seu sistema ofensivo, com Rafael Sobis intercalado com Wellington Nem na aproximação a Fred, não funcionou no primeiro tempo. Wagner também foi discreto. Por isso, o treinador decidiu tirar Sobis e colocar Marcos Junior já na largada do segundo período.

O Fluminense sabia que precisava pressionar seu oponente até o limite do suportável. E a Ponte tinha consciência de que os três pontos valiam ouro. O time visitante resolveu radicalizar um processo já visível no primeiro tempo: matar o máximo possível de tempo.

O projeto da Macaca deu mais certo do que o do Flu até os 30 minutos - e fracassou depois. A Ponte demorou para ser encaixotada em sua defesa. O Tricolor teve muito mais posse e, justamente por isso, criou suas chances. Mas aí apareceu Edson Bastos. O goleiro da Ponte fez duas grandes defesas antes de a segunda etapa chegar à metade: uma em conclusão de Wellington Nem, livre na área, outra de reflexo, em desvio perigoso da defesa.

Conforme passava o tempo, aumentava o sufoco imposto pelos tricolores. Para piorar o drama da Ponte, Wendel foi expulso. Mas o gol do Flu não saía. Fred mandou cobrança de falta a milímetros da trave esquerda da Ponte. Incrível.

Passava dos 30 minutos, e Samuel era a última esperança do Flu. Pois foi justamente em uma jogada com o atacante que saiu o empate. Ele desviou na bola, que foi na direção de Luan e bateu em sua mão. O árbitro deu pênalti. Fred cobrou no meio do gol e igualou o jogo - Edson Bastos ainda desviou de leve.

O jogo virou uma bomba-relógio. Renasceu a chance de vitória para o Fluminense. E ela veio com a cabeça de Gum. Marcos Júnior foi ao chão pela direita em disputa com Renê Júnior. O auxiliar levantou a bandeira com a mão esquerda, apontando falta de ataque. O árbitro Nielson Nogueira Dias marcou falta de defesa. Wagner cobrou, o zagueiro desviou, e o Fluminense garantiu mais uma vitória decisiva na caminhada que parece destinada a ter o título nacional como ponto de chegada.

Fonte: g1

Tópico: (BRASILEIRÃO) Flu busca virada polêmica sobre a Ponte e mantém folga na liderança

Nenhum comentário foi encontrado.

Novo comentário


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!