Cruzeiro vence o Criciúma em pleno Heriberto Hulse

O Cruzeiro suportou a pressão do Criciúma e da maioria dos 11.057 espectadores nesta quarta-feira, no Heriberto Hulse, e venceu por 2 a 1 com um golaço de letra de Ricardo Goulart, em duelo válido pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro. Vinícius Araújo marcou o primeiro da Raposa, e Bruno Lopes fez o gol dos donos da casa.

Com o resultado, o time mineiro chegou aos 24 pontos, assumindo a liderança pelo menos até o Botafogo jogar, ainda esta noite, contra o Atlético-MG, no Independência. Já a equipe catarinense cai para a zona do rebaixamento, com apenas 11 pontos.

Na próxima rodada, domingo, a Raposa enfrenta o Santos, no Mineirão. A segunda derrota seguida em casa deixa o Criciúma em situação ruim. Para tentar sair da zona de degola, o Tigre encara, também no domingo, a Ponte Preta, fora de casa.

Ricardo Goulart e Egídio comemoração gol Cruzeiro contra Criciúma (Foto: Eduardo Valente / Agência Estado)Ricardo Goulart e Egídio comemoram gol Cruzeiro contra Criciúma (Foto: Eduardo Valente / Agência Estado)

Primeira etapa de domínio cruzeirense

No começo eletrizante, quem deu o primeiro choque foi o Criciúma. Com 17 segundos, Lins voou pela ponta direita e botou na área para a cabeçada de Fabinho. O goleiro Fábio defendeu e o Cruzeiro despertou. O lance também foi suficiente para fazer ferver o caldeirão do Heriberto Hülse.

Mas o time mineiro manteve-se sereno e não demorou a abrir o placar quando o lateral Sueliton afastou mal e a bola sobrou para Vinícius Araújo bater forte e fazer 1 a 0. Os celestes tiveram oportunidades de ampliar antes do intervalo. Dos 37 aos 45 minutos, foram pelo menos três chances. Em uma delas, Everton Ribeiro chegou na cara de Helton Leite e demorou para arrematar. O zagueiro Matheus Ferraz chegou para bloquear e manter o placar em 1 a 0 no primeiro tempo.

Voz da torcida não adianta

Quando a bola voltou a rolar, no segundo tempo, o Cruzeiro seguiu superior e ainda fez com que a bola passasse mais no campo de defesa dos donos da casa. Para fazer o Criciúma reagir, só faltou a torcida entrar em campo. Cobrou raça e, ao menor sinal dela, não parou de cantar.

O técnico Vadão deu uma cartada arriscada – e acertada. Sacou Cassiano para a entrada de Bruno Lopes, jogador da base. Talvez pudesse consagrar treinador e a si caso estivesse embaixo do poste, aos 22. Quem estava no segundo pau era Gilson, que não conseguiu empurrar a bola espetada e cruzada por Lins para o fundo das redes. Mas o garoto teria a sua chance, e não iria perder. Pouco depois, o próprio Lins ajeitou e acertou um voleio na trave. Bruno estava no ponto certo e na hora certa, pegou o rebote e, enfim, transformou a pressão em gol. Recompensou o torcedor que incentivou desde aquele instante da partida.

Foram pouco mais de 10 minutos com um sentimento de triunfo e uma perspectiva de virada. Mas o Cruzeiro mandaria a torcida embora aos 37. Foi neste minuto que a bola ficou viva na área do Criciúma. Como ninguém conseguiu tirar, Ricardo Goulart deu de letra para recolocar o time mineiro na frente, pela última vez.

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!