Em tarde de festa por Ganso, São Paulo bate o pressionado Cruzeiro com gol de Osvaldo

O fim de semana começou com festa para o São Paulo e com pressão para o Cruzeiro. E dentro de campo os dois ambientes se confirmaram. Muito embora a partida deste domingo, no estádio do Morumbi, pela 26ª rodada do Campeonato Brasileiro, não tenha sido um espetáculo, a festa do Tricolor na apresentação do reforço Ganso valeu o ingresso dos 40.457 torcedores, presenteados com o triunfo por 1 a 0.

A vitória foi conquistada com um gol de Osvaldo. Foi o quinto dele no Brasileirão. Assim, o atacante, ao lado de Jadson, passa a ser o vice-artilheiro do time na competição, atrás apenas de Luis Fabiano, que tem 11. Com mais esses três pontos, o São Paulo foi a 43, em quinto, e mantém perseguição ao Vasco, com 45, na busca de um lugar na zona de classificação à Taça Libertadores da América.

Já o Cruzeiro, pressionado na saída de Belo Horizonte, segue com 35 pontos, cada vez mais distante da briga pelo G-4. O goleiro Fábio, um dos mais criticados pela torcida, fez boas defesas no duelo no Morumbi, mas voltou a falhar no lance do gol rival. Celso Roth durante a partida teve de gastar as três substituições por conta de lesão. Saíram de campo machucados Wellington Paulista, Wallyson e Charles.

Na próxima rodada do Campeonato Brasileiro, o Cruzeiro joga no sábado, às 18h30m (de Brasília), contra o Inter, em Varginha. O São Paulo, por sua vez, visita o Coritiba, domingo, às 16h, no estádio Couto Pereira, na capital paranaense.

Maestria zero
Os aplausos efusivos da torcida tricolor durante a apresentação de Ganso no gramado do Morumbi foram substituídos por vaias ao fim do primeiro tempo. E com razão. Os primeiros 45 minutos da partida contra o Cruzeiro foram ruins. Bem ruins. Nenhum dos dois apresentou criatividade suficiente para levar perigo ao outro lado.

Paulo henrique ganso são paulo apresentação (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)
Ao lado do mascote tricolor, Ganso é apresentado à torcida (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)

Mais ousado nos minutos iniciais, a Raposa teve mais posse de bola e pressionou o rival no campo de defesa. Mas não conseguiu chegar com força. À exceção de um chute de Diego Renan, aos 22, nenhum outro lance assustou Rogério Ceni, que completava 500 jogos no estádio do Morumbi.

Com Lucas apagado do lado direito, o São Paulo tinha apenas uma jogada ofensiva: arriscar pelo lado esquerdo, com as investidas de Osvaldo. Mas não deu certo. O atacante tricolor era até insinuante quando pegava na bola, porém não deu trabalho ao goleiro Fábio, muito criticado pela torcida cruzeirense no embarque para São Paulo.

Aliás, a pressão pelos bons resultados nos dois times parecia ter deixado ambos cautelosos além da conta. Não se viu na etapa inicial no Morumbi nenhuma ousadia. Sem criatividade, os rivais deram muitos toque de lado e finalizaram pouco. Foram quatro do Cruzeiro e apenas duas do São Paulo.

A ausência do machucado Luis Fabiano prejudicou os donos da casa, mas também não houve muita ação por parte da armação tricolor. No Cruzeiro, ao fim do primeiro tempo, duas alterações por conta de lesão. Borges e Souza entraram nas vagas de Wallyson e Wellington Paulista, respectivamente. 

Osvaldo decide!
A tarde não estava boa para o Cruzeiro. Antes mesmo de o cronômetro marcar dez minutos do segundo tempo, Celso Roth foi obrigado a fazer sua terceira e última alteração. Lucas Silva entrou no lugar de Charles, que sentiu lesão em disputa de bola com o são-paulino Lucas. Ele teve que deixar o campo na maca.

Se do lado mineiro os problemas eram as lesões, do lado tricolor eram as finalizações. Com apenas duas no primeiro tempo, o São Paulo continuou mal nesse quesito na etapa final. Ney Franco, então, decidiu sacar Willian José, substituto do machucado Luis Fabiano, e mandar a campo o garoto Ademilson.

oincidência ou não, Ademilson participou da melhor jogada do Tricolor na partida até então. Aos 17, após bom passe de Lucas, a bola foi desviada na grande área e o garoto dominou antes de chutar para boa defesa de Fábio. O goleiro, no entanto, não teve a mesma eficiência minutos depois, no lance do gol são-paulino.

Aos 22, Ademilson, de novo ele, tabelou com Douglas. O lateral cruzou da direita, e Fábio espalmou nos pés de Osvaldo, que completou para o gol. Em vantagem no placar, o São Paulo passou a dominar as ações da partida. Mais veloz após a entrada de Ademilson, o time pressionou e não deu espaço ao Cruzeiro.

Quando tinha a bola, a Raposa trocava muitos passes à procura de uma brecha na defesa são-paulina. Não encontrou. E teve de correr muito para segurar os contra-ataques tricolores com Osvaldo, Lucas e Ademilson. A vitória mantém o São Paulo na briga pela Libertadores e aumenta a pressão no Cruzeiro de Celso Roth.

Fonte: g1


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!