Fla vence Flu com gol no final

Era um Fla-Flu. O último clássico carioca do ano. Os dois times ainda brigando contra o risco do rebaixamento. Tudo bem que entraram desfalcados. Mesmo assim, os mais de 32 mil torcedores que foram ao Maracanã mereciam partida melhor que a deste domingo. Passes errados, bola batendo na canela... Tudo indicava um empate por 0 a 0, com as duas torcidas ainda preocupadas. Mas era um Fla-Flu. Algo inusitado podia acontecer, e no fim. Entre tantas jogadas erradas, o Flamengo acertou uma, aos 44. E mais uma vez com a marca do artilheiro Hernane, numa dividida com Gum em centro de Rafinha - o zagueiro tricolor deu o carrinho, mas a bola tocou por último no atacante.

Foi o terceiro Fla-Flu vencido pelos rubro-negros na temporada. E com um gosto de alívio. Com o resultado, o time chegou a 44 pontos ganhos e ocupa o 10º lugar. Está, para os matemáticos de plantão, a três pontos de fugir de vez da degola. A situação do Fluminense ficou mais crítica: está em 16º, com 36, e deve trocar de treinador após o resultado - Vanderlei Luxemburgo não deve resistir à crise.

Na 33ª rodada, o Rubro-Negro receberá no sábado, logo após o jogo decisivo na quarta-feira pelas semifinais da Copa do Brasil, o mesmo Goiás. Serão dois jogos seguidos contra o Esmeraldino. Depois, enfrentará fora de casa São Paulo e Grêmio. Na volta ao Rio, pegará o Corinthians. Depois sai para jogar contra o Vitória em Salvador e se despede da competição contra o Cruzeiro, no Maracanã.

No próximo domingo o Fluminense, que este ano não venceu um clássico carioca, enfrentará o Corinthians em São Paulo. Depois receberá o Náutico.e o São Paulo, volta a sair para jogar contra o Santos, pega o Atlético-MG no Rio e o Bahia em Salvador.

Flu superior

Dava para perceber de cara as jogadas que os dois times explorariam. Muito parecidas, por sinal. Sempre buscando aA velocidade era a palavra-chave. Do lado tricolor, Biro-Biro, que caía pela direita para se aproveitar da lentidão e pouco intimidade de Frauches com a lateral esquerda - o zagueiro jogou improvisado na posição. Do lado rubro-negro, a ordem era explorar o veloz Rafinha. E nesse ponto, a jogada tricolor era mais eficiente. Ali, pela direita, o Flu fez três lances seguidos com perigo, os dois primeiros com Biro-Biro. Na primeira bateu fraco, para defesa de Paulo Victor. Na segunda, a bola desviou na zaga. E na terceira e quarta, foi Jean quem mandou com perigo - a última obrigou o goleiro à melhor defesa, em dois tempos.

No caso do Flamengo, Rafinha não soube aproveitar o bom espaço e a também improvisação de Ânderson na lateral esquerda tricolor. Carlos Eduardo e Gabriel não conseguiam dar velocidade com qualidade às jogadas. Luiz Antônio, quando subia, era mais eficiente que os dois na armação. Mas foi pelo lado direitoi a melhor jogada rubro-negra, quando Digão recuperou uma bola e centrou para Hernane, perto do gol, tocar para as redes... do lado de fora.

Antes, o Brocador já tinha tentado, de cabeça, abrir o placar, mas a bola saiu mascada com o zagueiro. No mais, apesar de não ter Carlinhos para apoiar pela esquerda e contar com um meio-campo bem burocrático com Edinho, Diguinho e Jean, a superioridade na primeira etapa foi do Tricolor, que tinha em Rafael Sóbis o diferencial para chegar à vitória. E surgiu dos pés do camisa 23, inclusive, a melhor jogada, um míssil que paralisou Paulo Victor aos 40. E se essa bola não entrou, não havia mais o que fazer dos dois lados. Era esperar uma brecha no segundo tempo.

Brocador decide

O segundo tempo começou com cara diferente do primeiro. Rafinha, finalmente, acertou uma jogada pela direita. Centrou com o pé esquerdo no segundo pau. E Hernane perdeu até então o gol mais feito da partida, aos 3 minutos, ao escorar para fora. Poucos minutos depois, Vanderlei Luxemburgo trocou o apagadíssimo Bruno por Rafinha.

A partida caiu assustadoramente. O técnico Jayme de Almeida sacou Gabriel para pôr Bruninho. Vanderlei trocou Samuel por Marcelinho, que chegou do mundo árabe. Depois, tirou Diguinho para lançar Igor Julião... Os dois times trocavam passes com muitos erros. Por várias vezes a bola bateu na canela, como numa jogada com Digão pela lateral.

O Fluminense teve três momentos de perigo. Primeiro numa bola que Igor Julião recuperou pouco antes de sair e centrou para Marcelinho chegar décimos de segundo atrasado. Depois foi um chute de Rafinha que bateu na rede de fora - alguns tricolores chegaram a comemorar. E depois, numa jogada de escanteio, Leandro Euzébio, colado no segundo pau, não conseguiu alcançar a bola.

Bruninho e Adryan entraram, a partida ficou lá e cá, e num centro de Rafinha, aos 44, Gum deu o carrinho, e a bola tocou também em Hernane antes de balançar as redes. Alívio rubro-negro, desespero tricolor.

Fonte: g1


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!