Foi russo, mas Seleção Brasileira conseguiu empatar com a Rússia

Este foi o último jogo com a Seleção completa, contando com "estrangeiros", antes da convocação final da Copa das Confederações. O gol salvador marcado por Fred, no entanto, não apaga a péssima atuação do Brasil diante da Rússia, sensação das eliminatórias da Europa para a Copa do Mundo com 100% de aproveitamento.

Durante a maior parte do jogo, os russos foram superiores à seleção brasileira. Quando tinha bola, o time verde e amarelo quase não chutou a gol. Foram poucas as jogadas de perigo criadas pelos sul-americanos. Apesar do placar, talvez a partida desta segunda-feira tenha sido a pior sob o comando do novo técnico, que terá muito trabalho para montar o grupo para a Copa das Confederações.

Neymar, a principal esperança do Brasil para a Copa do Mundo de 2014, dessa vez não sofreu apenas com a antipatia já tradicional dos ingleses contra ele. Mas também dos brasileiros. Uma parte pequena da torcida verde e amarela chamou o atacante santista de pipoqueiro. Kaká, que tinha uma prova de fogo nesta noite, foi aplaudido e vaiado quando saiu. Hulk foi o melhor em campo do Brasil.

Antes de definir o grupo para a Copa das Confederações, a seleção brasileira tem apenas mais dois desafios. Ambos somente com jogadores que atuam no futebol nacional. No dia 6 de abril, o time encara a Bolívia, em Santa Cruz de la Sierra. E no dia 25 do mesmo mês, o desafio é com o Chile, no Mineirão, em Belo Horizonte.

Mosaico Brasil x Russia (Foto: Editoria de arte / Globoesporte.com)

Rússia joga melhor; Neymar é chamado de pipoqueiro

Se no empate por 2 a 2 com a Itália, na última quinta-feira, em Genebra, os 2 a 0 parciais do primeiro tempo apagaram o sufoco que a seleção brasileira passou, o 0 a 0 da etapa inicial do jogo contra a Rússia deixou ainda mais claro que Luiz Felipe Scolari terá muito trabalho para montar um time para a Copa do Mundo de 2014.

Invicta nas eliminatórias para o Mundial do Brasil, a Rússia engoliu a Seleção nos primeiros 15 minutos. Com uma chance atrás da outra, o time europeu fez os brasileiros baterem cabeça. A primeira oportunidade dos russos foi logo aos dois minutos, em falta cobrada por Ignashevich e defendida por Julio César.

Era só o começo da pressão. Depois, Kolorin chegou com perigo, assim como Kerzhakov e Gluschakov. Esse último só não abriu o placar para os russos porque Hernanes apareceu bem na hora para travar, aos 12 minutos. Quando tinha a posse de bola, a seleção brasileira desperdiçava com facilidade.

Sem explorar bem as laterais (Daniel Alves errou muito e Marcelo estava marcando mais do que atacando), as tentativas pelo meio foram todas frustrantes. Mais uma vez tímido, Neymar voltou a contar com a antipatia dos ingleses. Aos 16 minutos, o atacante do Santos foi vaiado por ter cometido uma falta.

A antipatia com Neymar, porém, não partiu apenas dos estrangeiros. Até brasileiros pegaram no pé do craque depois de duas chances desperdiçadas. Na primeira, aos 27, ele chutou para fora. E na segunda, aos 32, ele tentou firula e desperdiçou a jogada. Em ambas, alguns brasileiros gritaram: pipoqueiro.

Sem conseguir fazer o quarteto ofensivo (Kaká, Oscar, Neymar e Fred) jogador, a Seleção era presa fácil para os russos, que chegaram novamente com perigo aos 40 minutos, em chute de Fayzulin. Em resumo, a Rússia teve atuação melhor, principalmente por ter criado chances muito mais reais que as do Brasil.

Fred salva a Seleção nos minutos finais

Felipão deu mais um voto de confiança para o time que iniciou a partida e a seleção brasileira voltou para o segundo tempo sem alterações. Assim como a Rússia. O Brasil, no entanto, continuava com os mesmos problemas. Kaká e Oscar não conseguiam criar. Neymar e Fred apareciam pouco. E os erros persistiam.

Kaká Brasil x Rússia (Foto: Wander Roberto / Vipcomm)
Kaká teve última chance para convencer Felipão
(Foto: Wander Roberto / Vipcomm)

As trocas de passes dos brasileiros pareciam inseguras. Sem convicção. Bem diferente dos russos, que quando tinham a bola conseguiam chegar rapidamente ao ataque. Mesmo que sem finalizar. Diante da dificuldade brasileira, Kaká resolveu acelerar o jogo. Mas o meia do Real Madrid não conseguia fazer a bola girar.

Faltava ao Brasil arriscar mais. Chutar mais. Felipão, no primeiro tempo, já havia cobrado mais finalizações. Mas a Seleção persistia no erro de tentar chegar mais perto do gol. Aos dez minutos, Kaká fez ótima jogada pelo meio e tabelou com Fred. Mas foi facilmente interceptado antes da conclusão.

Aos 13 minutos, o Brasil teve uma rara chance em cobrança de falta. Bem perigosa. Mas David Luiz acertou na barreira. E no rebote, mandou na zaga. O segundo bom chute da Seleção no jogo veio só aos 19 minutos. De perna direita, o lateral-esquerdo Marcelo tentou. Mas Gabulov defendeu.

Felipão fez a primeira alteração aos 22 minutos, quando colocou Hulk no lugar de Oscar. Ao entrar em campo, o atacante do Zenit foi vaiado. Aos poucos, a seleção brasileira tentava criar mais jogadas, mas os erros de passe eram fatais. Sem conseguir criar perigo, nada mais natural do que levar sufoco. E gol!

Aos 27 minutos, a Seleção sofreu um bombardeio russo. Kerzhakov finalizou, e Hernanes salvou. Na sequência, Shirokov bateu e Fernando, em cima da linha, evitou o gol. Mas a finalização de Fayzulin ninguém parou. Em chute forte, o meio de campo russo colocou o time europeu em vantagem: 1 a 0.

Se já estava difícil com o 0 a 0, a situação do Brasil ficou ainda mais difícil. Aos 40, Hulk pedalou pela esquerda da área e foi derrubado por Eschenko, que levou amarelo, quase em cima da linha. Mas a cobrança de falta de Hernanes foi muito ruim, direto para o gol, e passou por cima.

O gol salvador saiu aos 44. Marcelo iniciou a jogada pela esquerda, tabelou com Hulk, entrou na área e rolou para Fred, que tocou de primeira sem defesa para Gabulov. Três gols do atacante do Fluminense em três jogos com Felipão, que agora tem dois empates e uma derrota no comando da Seleção após seu retorno.

BRASIL 1 X 1 RÚSSIA
Julio César, Daniel Alves, Thiago Silva, David Luiz e Marcelo; Fernando, Hernanes, Oscar (Hulk) e Kaká (Diego Costa); Neymar e Fred. Gabulov; Anyukov (Dmitri Kombarov), V. Berezutsky, Iganashevich e Eschenko; Shirokov, Glushakov, Fayzulin, Bystrov (Oleg Shatov); Kerzhakov e Kokorin (Zhirkov, depois Maxim Grigoriev)
Técnico: Luiz Felipe Scolari Técnico: Fabio Capello
Gols: Fayzulin, aos 27 do segundo tempo; Fred, aos 44 do segundo tempo
Cartões amarelos: Hernanes (Brasil), Eschenko (Rússia)
Local: Estádio Stamford Bridge, Londres. Público: 35.206 pessoas. Data: 25/3/2013.
Árbitro: Howard Webb (ING). Auxiliares: Darren Cann e Peter Kirkup (ING)

Fonte: g1


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!